Eu estou sempre Ansiosa, agora mais do que nunca. Como saber se é uma crise ou Sintomas do Coronavírus?

07930f7ad6ec85cb4bae20aef747a5a8 - Eu estou sempre Ansiosa, agora mais do que nunca. Como saber se é uma crise ou Sintomas do Coronavírus?

Quando a pandemia do Coronavirus começou aqui no Brasil, perguntei no Instagram do Lolla “quantas vezes você já teve Corona hoje?”. Acho que todo mundo já achou em algum momento que poderia estar com Corona no primeiro espirro. Passamos o dia atento aos sintomas, que vão de dor nas costas à falta de ar, e só de estar em estado de alerta, sentimos muita angústia. E só de ler a palavra angústia já dá um aperto no peito não?

Eu luto bastante contra a minha ansiedade, sou uma pessoa calma mas tenho meus momentos de explosão e a ansiedade me deixa sempre bem preocupada e com pensamentos negativos, o cenário atual não contribui nada pra isso. Uns 10 dias atrás estava falando com as minhas amigas e debatendo se o que eu estava sentido era Coronavirus ou uma crise de ansiedade. Meus braços estavam pesados, dor de cabeça, minha garganta estava estranha e fechada. Medi minha febre, não passava de 36ºC, mas eu nunca tenho febre, pra mim não é um sintoma de nenhuma doença. Já foi o suficiente para eu achar que se tiver Corona, não vou ter febre e pode ser mais silencioso ainda. Enfim, constatei que já estava going crazy e resolvi procurar ajuda.

anxiety dan millman - Eu estou sempre Ansiosa, agora mais do que nunca. Como saber se é uma crise ou Sintomas do Coronavírus?

Mandei algumas perguntas para uma amiga psicanalista, Alice Muszkat Zemel, especialista no atendimento de crianças e adolescentes. Ler o que ela escreveu me acalmou instantaneamente e com o tempo meus sintomas de Coronavírus configuraram alarme falso, pelo menos por hora. Espero que ajude você a se acalmar também!

Q. Como saber se esse “aperto no peito” é uma crise de ansiedade e não sintomas do Coronavírus?

Acho que a primeira coisa importante é levarmos em conta que estamos vivendo um momento absolutamente atípico que tem nos exigido, em maior ou menor grau, uma reorganização que por si só causa tensão. Trata-se de um período de adaptação que nos deixa numa espécie de estado de alerta. Então sejamos tolerantes com uma dose de ansiedade, estranho seria se tudo isso passasse batido.

Sobre o aperto no peito, podemos nos fazer algumas perguntas: Já senti isso antes? Vem associado com algum outro mal estar? Está presente o tempo todo ou melhora quando estou mais relaxado ou focado em outras atividades?

Q. Porque ansiedade causa aperto no peito e falta de ar?

Ansiedade pode causar diversos sintomas. Há quem diga que come muito quando está ansioso. Outros emagrecem porque nada “desce”. Tem gente que frente a uma situação de maior desafio ou stress fica com dor de barriga. É também muito comum lermos bula de remédio e instantaneamente sentirmos todos os efeitos colaterais ali citados, denunciando como somos suscetíveis. Neste momento de Coronavírus em que um dos sintomas mais característicos é a falta de ar, este se torna um prato cheio. Outra razão é que quando estamos com medo, ou muito assustados, é comum nossos batimentos acelerarem e, consequentemente, nossa respiração.

Acho que é importante também podermos fazer uma distinção entre um estado de medo saudável, que nos ajuda a organizar o cuidado, do pânico, que é difuso, não elege objetos específicos. Podemos pensar que nestes casos o corpo realiza uma descarga em excesso, que por não ter um lugar externo de representação, acaba se manifestando no próprio corpo. É bastante comum nestas situações a sensação de falta de ar, aperto e dor no peito, onde muitos acabam no pronto socorro certos de que estão tendo um ataque do coração. Ou, nos tempos de hoje, Coronavírus.

Q. Como eu alivio os sintomas da ansiedade?

Acho que algumas estratégias são muito válidas: fazer esporte, relaxamento, meditação, exercícios de respiração, atividades que proporcionem prazer e que, principalmente no nosso contexto atual, possam nos dar um respiro do assunto COVID-19. Ainda levando em conta este momento, penso que é importante elegermos um tanto (de preferência não muito grande) de notícias sobre este assunto por dia. Não se trata de nos alienarmos, mas é fato que o excesso de informações nos mantém em um estado de alerta constante e é um disparador de sintomas de ansiedade. Fazer terapia – neste momento online, há muitos bons profissionais disponíveis – é uma grande saída. Poder falar das angústias, medos, daquilo que sentimos na mente e no corpo, possibilita elaborar e dar um novo estatuto e representação pra esta avalanche de emoções.

Em muitos casos é importante também consultar um psiquiatra que pode associar medicações específicas à terapia.


Ela me fez pensar e relacionar as coisas para poder entender como meu corpo estava reagindo ao que eu estava consumindo de notícias e informações, e o que eu estava fazendo para me sentir melhor. Parei de seguir pessoas alarmistas e comecei a fazer exercícios com mais frequência, em pouco tempo já senti uma melhora nos sintomas de ansiedade. E comecei a tomar um ansiolítico natural, depois de falar com meu médico.

Esses tempos estão estranhos e acho que as minha dúvidas devem ser as mesmas de várias pessoas. O que mais vocês gostariam de saber e perguntar durante a crise do COVID-19? Deixe nos comentários!

P.S. Em tempos de quarenta, como ficam os contratos de trabalho das pessoas que trabalham na nossa casa? and Dicas de Looks para Ficar em Casa and Stay Stylish.

Photo: Jenni Kayne

Para falar com a Alice Zemel: [email protected]

Rosa Zaborowsky

by Rosa Zaborowsky

Editor & Founder of Lolla.

POST A COMMENT