Quando eu me abri demais e me senti super vulnerável.

IMG 8014 - Quando eu me abri demais e me senti super vulnerável.

Eu acredito ser uma questão de geração, mas fato é que a internet virou um palco para quem quer expor seus pensamentos e sentimentos. Minha mãe fica chocada quando eu faço algum mention aos problemas da vida, para ela e toda a sua geração, compartilhar os problemas e mostrar a sua vulnerabilidade é fraqueza. Certamente eles não conhecem Brené Brown, a mulher que parece ter descoberto a vulnerabilidade, e não devem dar a mínima para o que ela fala, passaram a vida mantendo suas questões privadas como acham que devem ser, privadas. Os mais sábios procuram ajuda e os teimosos tendem a se tornar chatos.

Eu acho que nasci na geração certa, mas tendo a me questionar, mãe sempre faz a gente ponderar nossas escolhas né? Por tanto tempo elas estiveram certas quando a burrice da adolescência comandava as nossas ações. Eu escolhi escrever e fazer da minha vida o meu trabalho, mas foram anos struggling até assumir isso. E talvez por ainda procurar entender o que deve deve ser privado e o que pode ser compartilhado, às vezes me atrapalho.

Outro dia fui jantar com duas novas amigas muito queridas, gente que o Lolla me trouxe de presente. Quando isso acontece, e não sinto nenhum desconforto de energia (algumas pessoas não vibram na mesma energia né? Quando me sinto assim prefiro não pagar pra ver e me afasto), me sinto à vontade o suficiente para conversar como se elas já soubessem do que estou falando, como se eu estivesse apenas relembrando um caso e não apresentando os fatos de uma historia pela primeira vez. As poucas vezes que nos vimos as conversas foram prolixas, nos juntamos para falar de trabalho, mas a pauta sempre volta pra dentro e cada uma dividiu historias pessoais, lutas internas e batalhas da vida. Mas eu senti que passei do limite do que me deixaria confortável e fiquei com uma ressaca por falar demais.  Não gosto de trazer assuntos pesados, existem tantas coisas interessantes para serem debatidas. Mas naquele momento e no contexto, fazia sentido. Foi libertador falar em voz alta o que eu estava sentido, mas não lidei bem com aquela vulnerabilidade toda.

Isso já tem um mês, mas penso nesse jantar quase todos os dias e me faz questionar que talvez eu seja mais parecida com a minha mãe do que imaginava. Tento inverter os papéis e me imagino ouvindo as historias delas, isso me acalma porque penso que eu passaria a olhar pra elas com mais admiração.

Você já passou por isso? Já teve a sensação de ter falado demais? Como lidou com a situação?

PS: Big Little Lies: Friendship comes from and Amizade, minha main resolution para 2017.

 

Rosa Zaborowsky

by Rosa Zaborowsky

Editor & Founder of Lolla.

Comentários

    • Sim e não. Porque se tivesse ficado super confortável, não estaria me sentindo assim depois eu acho… Anyway, acho que é mais coisa da minha cabeça.

  1. Sim, e passa porque você esquece. O seu assunto profundo não bate na pessoa com a qual vc falou da mesma maneira que bate para você agora. A pessoa ouviu, simpatizou e depois esqueceu. Não ficou parte da vida dela. Os seres humanos são autocentrado por natureza. Nós somos os únicos que ficamos com ressaca moral de ter falado demais. Os outros já esqueceram. Então, pode relaxar. Você não fez mal a ninguém.

    • Sim! É totalmente isso… o ser humano se acha tão relevante que vive o mal estar em um nível que não aconteceu.

POST A COMMENT