TGIF Reading List da Cami Cilento

Camila Cilento
Essa semana vou começar a lista de leitura falando de caminhos e destinos. Nem toda estrada leva direto aonde você quer ir, e essa busca pelo destino final, algumas vezes, nos faz esquecer de admirar o caminho. Eu estou no meio de uma viagem com a minha família, e com muita negociação e algumas táticas como direcionar o Waze sem eles perceberem, consegui fazer um desvio que queria demais. E me peguei filosofando sobre como nem todo caminho leva a um fim, tem certas vezes que o que interessa na realidade não é o fim, e sim o bendito caminho. No caso dessa viagem, ambos importavam, o caminho e o destino. E como prometi no IG o primeiro artigo fala exatamente do destino.

It Was the Ideal Antique Building. Who Needs Bathrooms, Anyway?”, Tim McKeough para NY Times:quando esse artigo saiu no meu jornal de domingo, não tive dúvidas, corri para o Airbnb e reservei um final de semana no outono seguinte sem nem olhar o preço. Eu sempre comento com o meu marido sobre a quantidade de edifícios religiosos nas pequenas cidades americanas: é muito curioso pois tem vezes que visitamos cidades que tem 3 ou 4 igrejas de cultos diferentes. É tão confuso que teve uma vez que só fui perceber que estava no culto errado depois que já tinha comungado. E por essa razão não é incomum achar edifícios de igrejas que antes abandonadas ganham a eternidade nas mãos de novos donos. Esse artigo conta um pouco sobre a igreja em que estamos nos hospedando.

“The 37-Year-Olds Are Afraid of the 23-Year-Olds Who Work for Them”, Emma Goldberg para NYTimes: eu acho tão interessante como as mudanças de gerações acontecem. Eu me lembro como se fosse hoje quando eu torcia o nariz para o gosto musical da minha tia quando ela ia buscar a gente na escola ouvindo Antena 1. Mas essa piada envelheceu rapidamente quando cheguei aos 30 anos e comecei a ouvir Antena 1, rsrsrs… Esse artigo fala sobre a nova geração e o quão sem cerimônias ela vem se afirmando nos ambientes profissionais. Adoraria ouvir as reações de vocês ao lerem esse artigo.

“Ralph Lauren Restarts the Fantasy”, Jessica Testa para o NYTimes: quando os turistas finalmente retornarem ao JFK, e correrem de braços abertos para cruzar a ponte do Brooklyn vão certamente encontrar uma NYC tão igual quanto diferente. E a mesma avalanche de mudanças e marasmos está representada na gastronomia: entre mortos (será esse o fim da alta gastronomia) e feridos (talvez não, o Eleven Madison Park voltou, mas agora é vegetariano), alguns retornaram como se nada houvesse acontecido. É o caso do Polo Bar e o seu mundo paralelo.

“My Real Estate Secret Weapon Didn’t Work. Or Did It?”, Kate Petersen para NYTimes: A Pandemia trouxe consigo uma corrida imobiliária por casas fora das grandes cidades. Inusitado de uma certa forma pensar em como mesmo com todas as incertezas econômicas geradas pelos longos meses pandêmicos, milhares de famílias decidiram deixar as suas vidas nos grandes centros no passado e a procurar loucamente por uma vida pacata em uma cidade antes desconhecida. E vencer nessa verdadeira batalha imobiliária não tem sido nada fácil. Aqui a autora explora um pouco esse tema e conta sobre a sua experiência na batalha de ofertas e sobre um artifício que muitos dizem funcionar: a tal carta ao vendedor.

“‘Dune’ Is the Movie We Always Wanted”, Paul Krugman para NY Times: eu estou naquele dilema se é melhor assistir ao filme ou ler o livro. Diz a lenda que no geral o livro é sempre melhor e que o filme, por mais bem feito e por mais que tenha um roteiro bem intencionado, sempre fica devendo. No entanto ao ler esse artigo do Paul Krugman fiquei extremamente intrigada com o novo filme Dune, baseado na obra de Frank Herbert de mesmo nome. Primeiro porque o Paul no geral escreve sobre economia, então curioso ver ele escrevendo sobre filmes e livros. Na realidade ele não só escreve sobre economia, ele também ganhou um prêmio Nobel de Economia. E em segundo lugar porque fiquei extremamente interessada no que ele escreveu sobre o filme que conta com Timothée Chalamet no papel principal.

TGIF e boa leitura ❥
Cami
Ps: Eu acredito que para consumir bons editoriais e o trabalho tão interessante de tantos escritores devemos assinar os jornais, revistas e publicações que nos interessam. O trabalho deles tem um valor imenso e se queremos continuar lendo o que eles produzem nada mais justo do que pagarmos pelas assinaturas. Algumas publicações são mais liberais em relação ao conteúdo publicado online do que outras, permitindo que um número maior de artigos por mês seja acessado de forma gratuita, mas esses limites variam. Cabe a cada um saber qual informação tem valor para si e assinar aquelas que são mais relevantes.

Share this story

Comments Expand -
Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.