LOLLA/EYN City Guide: 6 MEMBERS CLUBS em Londres, os clubes privados mais exclusivos da cidade

Beatriz Muroch (Eat Your Nuts)

Vira e mexe eu me pego explicando para amigos o que são os members club em Londres e como funciona toda essa cultura que é tão predominante aqui no Reino Unido e, cada vez mais, ao redor do mundo. Hoje, eu resolvi trazer um olhar mais a fundo sobre esses queridinhos que têm atraído cada vez mais pessoas por aí.

Originário da nobreza de Londres, do século 18, e tendo o seu auge no final do século 19, os clubes privados tinham a função de ser um retiro para, em sua maioria, homens de classe alta que compartilhavam das mesmas visões e pensamentos se reunirem. Para se ter ideia, o primeiro e mais antigo clube da cidade, White’s, abriu suas portas em 1693 e era ultra exclusivo, tendo como critério de admissão a classe social e gênero com as mulheres altamente proibidas de se juntarem à eles. 

Nos séculos 19 e 20, os membros encontravam neles uma fuga das pressões do trabalho e da família.  Eram lugares para fumar, beber, relaxar e socializar, evoluindo para um espaço de networking onde jovens homens recém-formados também pudessem fazer conexões e alugar um quarto, antes que pudessem pagar por um apartamento na capital britânica.  Considerados parte central da vida dos homens da alta sociedade, eram projetados também para suprir todas as necessidades domésticas de um homem – com refeitórios, bibliotecas, salas de entretenimento e jogos, quartos e escritórios –, além de prover privacidade e conforto, algo que muitas vezes eles não encontravam em seus lares.

Felizmente, hoje existe uma abordagem muito mais igualitária e aberta, que fez com que os clubes abrissem suas portas tanto para homens quanto para mulheres – inclusive existem alguns exclusivos projetados para e por mulheres, que é o caso do AllBright

Representando alguns dos espaços mais dinâmicos e atraentes das principais cidades do mundo, os ‘clubes’ fundem trabalho e social, além de terem como foco proporcionar experiências atreladas ao estilo de vida de seus membros. Eles costumam ter interiores de cair o queixo, além de muitos deles também oferecem comodidades como serviços de hotel, spas de luxo, academia de última geração e gastronomia impecável. 

Dinheiro não significa muita coisa para alguém que quer um passe para a cena social mais quente de NY, Londres, Paris, Milão etc… A maioria deles tem processos seletivos altamente rigorosos, que exigem como parte da inscrição uma carta de recomendação de pelo menos um membro existente.  Por outro lado, a exclusividade garante que raramente fiquem hiper lotados.  Outro fator limitante é que alguns dos mais concorridos, como é o caso do Soho House, se especializaram em uma área, aceitando apenas como membros pessoas das indústrias criativas – se você trabalha com private banking, esquece. 

Em geral, cada membro pode levar até três convidados que não são membros e caso deseje levar um número maior, é necessário reservar uma mesa para jantar, mas já adianto que sem pelo menos um membro no grupo de amigos, é impossível o acesso, dado que eles têm um controle rigoroso.

Digo por experiência própria, que em geral os clubes mais concorridos (vamos falar sobre eles abaixo) têm em sua maioria muita procura e pouca oferta… É preciso paciência para fazer parte. Quer um exemplo? Até hoje, depois de dois anos que eu fiz a minha inscrição em um deles, continuo aguardando o meu tão esperado ‘passaporte’. 

Abaixo listei os principais members clubs de Londres que eu mais gosto. Espero que gostem!

6 MEMBERS CLUBS em Londres

Foto: Vogue

Annabel’s

O banheiro icônico do Annabel’s

Localizado na Berkeley Square, é um dos clubes mais sofisticados e respeitados do mundo. Conhecida por seu rigoroso dresscode – rasteirinha nem pensar, jeans só se for de cor sólida e é indispensável o blazer para os homens –  e entretenimento incrível, o clube conta com uma balada no subsolo. Os ambientes são lindamente decorados com diversos temas como um restaurante que se parece com uma selva, um bar mexicano, uma sala de charutos repleta de opções e especialistas a postos para ajudar, além de uma adega totalmente equipada. 

O clube também recebe uma série de festas luxuosas durante a temporada de premiações e a semana da moda, com alguns foliões notáveis, incluindo Taylor Swift e membros da realeza. Curiosidade: Frank Sinatra foi um dos primeiros membros.

Bom para: ver e ser visto e jantar em grande estilo

Quem frequenta: super ricos,  high-society e celebridades 

Principais benefícios dos sócios: acesso a um dos mais famosos e esplêndidos members club de Londres

Processo seletivo: é necessário a indicação de um membro atual

Custo de associação:  média de £ 1.000 de fee de inscrição +  £ 3.250 por ano

 

 

Foto: The Telegraph

Soho House

A primeira casa do Soho House surgiu no bairro do Soho (é também na minha opinião a mais legal, localizada na Greek Street), em 1995, mas hoje em dia, eles possuem casas espalhadas pelo mundo todo, sendo este o seu maior atrativo para futuros e atuais membros. De fato eles conseguem entregar o que prometem: ser a sua casa longe de casa. 

Esse é um dos clubes que eu mais frequento e tenho amigos membros por ser e estar rodeada de pessoas da indústria criativa. Também é o meu favorito por ter uma atmosfera cosy, com móveis e acessórios que inclusive você pode comprar para a sua casa através da loja do grupo Soho Home. 

Bom para: curtir no mundo todo; networking; party vibes

Quem frequenta: os criativos, millennials, antenados 

Principais benefícios dos sócios: acesso a casas ao redor do mundo, ótimo espaço para trabalhar e fazer networking, além de alguns terem piscina, o que é uma raridade no verão Londrino.

Processo seletivo: é necessário a indicação de dois membros e uma carta explicando o que você vai agregar ao clube

Custo de associação:  média de £ 500 de fee de inscrição +  £ 1.800 por ano

 

 

Foto: Vanity Fair

5 Hertford Street

Com uma fachada super discreta e que passaria despercebida por muitos, esse clube londrino é o queridinho das celebridades e também conhecido pela sua relação com membros envolvidos com a política.  Dizem que foi o local onde o Príncipe Harry e Megan Markle tiveram seu primeiro encontro. Criado por Robin Birley, nome conhecido por trás dos restaurantes Harry’s, The Ivy Club e Le Caprice, para citar alguns, é onde fica a famosa casa noturna Loulou’s. Localizada no porão, ela conta com uma girafa enorme de pelúcia e costuma fervilhar de gente bonita, sendo um dos mais disputados destinos entre os bem nascidos e relacionados. Eu sou fã e não vejo a hora de poder frequentá-la novamente. 

Bom para: curtir a balada, comer super bem e ver celebridades

Quem frequenta: A-list, aristocratas e políticos (Harry Styles foi negado)

Principais benefícios dos sócios: super hiper exclusivo; balada e ótimos restaurantes.

Processo seletivo: difícil, tem que ter indicação de um membro e uma carta feita por ele, além de um comitê rigoroso

Custo de associação:  é famoso por ter um fee de valor secreto mas a média de é de  £ 1.800 por ano

 

 

South Kensington Club

O South Kensington Club se preocupa muito com o bem-estar de seus membros, oferecendo não apenas salas de estar bem mobiliadas, onde os membros podem trabalhar e se socializar, mas também tratamentos de spa banyas, no estilo russo. Os membros recebem tratamentos revigorantes que incluem massagens e piscinas de imersão geladas, que podem ser seguidos por uma visita ao banho turco ou à biblioteca de chá asiática. 

Bom para: saúde e bem-estar; desligar dos problemas e da cidade agitada

Quem frequenta: David Beckham, mulheres da alta sociedade – mães e donas de casa saúdaveis

Principais benefícios dos sócios: instalações de bem-estar

Processo seletivo: apenas aplicar e ser aprovado pelo comitê de sócios

Custo de associação:  £ 1.000 de  taxa de inscrição +  £ 3.500 por ano

 

The AllBright Mayfair

Projetado para e por mulheres, esse clube é único. Hoje existem dois clubes na capital, além de dois internacionais, em Los Angeles e Nova York. Eles oferecem aos membros acesso à uma seleção de restaurantes e bares, um andar dedicado ao bem-estar, um estúdio de fitness, um spa e salão de beleza de última geração. Nunca fui, mas morro de vontade de conhecer, quem sabe um dia?

Bom para:  mulheres empoderadas e bem resolvidas; networking

Quem frequenta: donas de empresas e empreendedoras

Principais benefícios de sócios: uma enorme quantidade de eventos, é impressionante

Facilidade de entrada: você precisa ser mulher para começar

Custo de associação: £ 300 de taxa de inscrição e £ 1.150 por ano

 

Home House

Conhecido por sua decoração espetacular e eventos sociais marcantes, esse club oferece uma incomparável lista de restaurantes e bares à disposição de seus membros. Confesso que nunca fui, mas tenho amigos que o frequentam e adoram. 

Bom para: conhecer pessoas de diferentes culturas, relaxar, fazer novas amizades e trabalhar durante o dia.

Quem frequenta: pessoas bem conectadas, porém discretas

Principais benefícios de sócios: uma enorme academia e spa

Facilidade de entrada: fácil, não tem necessidade de ter indicações

Custo de associação: £ 299 de taxa de inscrição e £ 1.940 por ano

 

SAIBA MAIS SOBRE A BE MUROCH
Beatriz Muroch é comunicóloga, fundadora e produtora de conteúdo da newsletter e instagram Eat Your Nuts. Atualmente, mora em Londres e gosta de estar antenada a tudo que acontece de importante e novidades ao redor do mundo. Sua maior ambição é manter as pessoas informadas e saciar a fome delas por conhecimento em diferentes âmbitos.
CLIQUE AQUI PARA ASSINAR A NEWSLETTER EAT YOUR NUTS

Share this story

Comments Expand -
Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.