“Ele é a sua cara.”

Camila Cilento
O bebê nasce, você pega ele nos braços e a primeira coisa que pensa é com quem ele se parece. Sua avó olha para ele e logo tenta traçar o paralelo: "ele tem os seus olhos". Sua melhor amiga vem visitar e ela logo fala: "Nossa ele é a cara do pai". E esse jogo de tentar nos reconhecer em nossos rebentos segue por toda a vida.

Há alguns meses postei uma foto com a minha mãe e logo começaram a chover os comentários: "uau! você é a cópia da sua mãe", "meu deus, vocês são iguais" e lógico o meu favorito porque enal­tece o meu ego "que mãe mais linda! você é a cara dela". Passei a minha vida toda ouvindo e tecendo comentários, ou seriam constatações, sobre quem é a cara de quem. Já olho para as filhas das minhas amigas e não resisto: meu cérebro automaticamente começa a escanear as feições de ambas tentando identificar os traços que conheço tão bem.

Quando o meu filho nasceu para a minha surpresa ele se parecia muito com o meu pai. Não que isso fosse um problema, mas era curioso porque ele era a cara do meu pai não criança e sim adulto. Os meses foram se passando e os traços dele foram ganhando mais forma. Logo os cabelos escuros foram caindo e ele foi ganhando uma peruca loira interessantíssima. E foi então que eu finalmente me reconheci.

Eu fui uma daquelas crianças que você vê a foto e não acredita que possa ser a mesma pessoa. Apesar do público geral supor que o meu filho se parece com o pai, já que a mãe não tem loirice nenhuma, a verdade é que meu bebê era a minha cópia quando criança. A minha avó materna automaticamente ficou saudosa de sua loira quando o encontrou da última vez.

Não sei explicar porque me reconhecer nos traços do meu filho me faz tão bem. Só pode ser uma questão egocêntrica. Virou até piada familiar: quando alguém olha a nossa família e começa a procurar as semelhanças, eu já saco uma foto minha na idade do meu filho e pronto, a discussão termina ali. Nesse processo, eu fico orgulhosa pela minha genética e meu marido fica incomodado com a minha assertividade em querer tirar qualquer possibilidade de alguém dizer que nossa criança é a cara dele.

A gente se prende na noção física do que somos ou fomos, mas esquecemos que a parte mais intere­ssante da nossa existência é a nossa personalidade. As melhores partes da minha personalidade são também as mais complicadas. Estaria lindo se ele tivesse a apenas me puxado nos traços externos, mas ficou um pouco mais complexo como mãe me enxergar na personalidade dele. Eu sou uma pessoa extremamente persistente. É fantástico quando a persistência é vista como uma virtude, porém delicado quando o que encontro é a teimosia. 

Quando coloco uma idéia na cabeça é muito improvável que eu vá mudar de opinião. Essa característica me ajuda demais quando tenho razão ou quando tal assertividade me leva a tomar decisões rápidas e certeiras. Veja bem, eu sou uma pessoa muito decidida: dificilmente eu fico perdida sem saber que caminho tomar. Eu escolho e pronto. Por outro lado a minha cabeça dura também me traz diversos problemas. Lógico que a medida que eu amadureci aprendi que ter o comprometimento de ouvir o outro com intenção é uma virtude e um dos meus maiores desafios é desenvolver a minha capacidade de empatia e compreen­são.

A verdade é que sempre fui considerada dentro da família como uma pessoa difícil. ser difícil é um traço de personalidade no mínimo interessante. Converso muito com uma das minhas grandes amigas sobre o assunto. Tudo começou quando ela me disse que sua filha era difícil. Eu logo me identifiquei e me lembrei de como ser taxada assim é complicado. Rótulos são algo que carregamos para a vida e esse é especialmente desafiador. Abrir esse diálogo com a minha amiga foi profundamente transformador.

Certo dia em um dos nossos papos ela me disse o seguinte: “ela como filha é um desafio diário e minha maior luta. Ela como mulher eu vou só sentar e aplaudir”. Na mesma hora pensei na minha mãe: a minha persistência, resiliência e espírito batalhador realmente são marcantes e definidores da minha trajetória como mulher e profissional. Porém a minha teimosia, falta de flexibilidade e cegueira seletiva me empobrecem e fazem dos meus relacionamentos familiares um embate. Lembram o que escrevi sobre a minha maior virtude de ser também a minha maior falha? O que me lembra de uma célebre frase do meu pai sobre a minha avó paterna: "sua avó para uso externo é maravilhosa, para uso interno é complicada”. Bem, essa sou eu e meu marido não titubeou a adotar a tal frase.

Eis que meu filho nessa semana decide que não quer dormir com a calça do pijama. Qualquer argumento ou suborno de nada adiantaram. Não me entendam mal, ele certamente não vai morrer se dormir sem calça e no havia nada de errado com dita cuja. Meu coração de mãe porém não quer que ele passe frio a noite e começa assim o nosso cabo de guerra. Até que a minha mente criativa e prática para resolução de conflitos me fez sacar do armário outra calça. Meu filho olhou para mim, vestiu a calça, sorriu e eu li nos olhos dele exatamente o que ele estava pensando: "te falei que não ia vestir aquela calça e realmente não vesti". 

É um exemplo simples e inofensivo, para alguns vai parecer apenas mais um vai e vem normal entre os pais e os seus rebentos. Porém eu conheço o meu pequeno e me reconheço nele em coisas que vão além da nossa semelhança física quando criança. E sinto por mim e por ele: ser mãe dele vai ser sempre a realização de um sonho, mas reconhecer nele a minha marcante teimosia vai ser sempre um grande desafio. O que ele não sabe é que tudo o que ele é teimoso, eu sou persistente, e assim vamos nessa dança aonde eu acho que ele fez o que eu pedi e ele pensa que fez o que queria.

Além da minha teimosia e da minha persistência, ele também herdou o meu mau humor matinal. Quem teve o azar de estar ao meu redor quando tudo o que eu queria era estar na cama já imagina o tamanho do desafio. O lado positivo de tudo isso é enxergar nele características que enchem meu coração de felicidade. Para a sorte do mundo, ele puxou a empatia e o coração nobre do meu marido. São dois dos traços que mais admiro em ambos e muito melhor herdar isso do que o par de olhos azuis do meu marido ou os meus cabelos loiros quando criança. O meu maior desafio como mãe, mais do que ter certeza que ele tem escovado o dente ou usado filtro solar, será ensinar para eles as lições que aprendi com as enrascadas em que me meti por causa dos traços não tão lindos da minha personalidade.

Share this story

Comments Expand -
  1. Meu deus que texto lindo!!! Fiquei emoCionada pOis estou gravi e me pego pensando ou conversando com algUém sobre quais traços o meu filho vai puxar ou de quem. E nunca tinha parado para pensar que com esses traÇos também Vem os desafios de lidar com eles. Amei a reFlexão!

  2. Adorei sua reflexão! Tenho doIs filhos e me vejo nos dois! PrincipalMente Em Coisas como teimosia! TAMBÉM gostaria que NÃO fossem parecidos coMigo mas … tá no sangue…. acontece!
    Adorei o comentário em
    Relaçao a “Avó “ : uso externo maravilhosa mas internO, complicado” e acredito que isso ACONTEÇA Com todas as FAMÍLIAS! Agora aqui entre nós: Benji é muito parecido com você! Mas sempre digo que os filhos têm A sua PRÓPRIA carinha …
    Adoro seus textos!

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.