Kitchen Convos: A cozinha é o melhor lugar para as conversas que precisamos ter

 

“Quando você menos espera, as coisas acontecem”. Clichê, vago, totalmente irritante (principalmente quando você quer muito que algo se concretize e acaba não dando certo), porém… completamente verdade. Já tive algumas experiências que essa frase se encaixou perfeitamente e a última delas é a que vou relatar agora.

Sou filha única e acho que já comentei aqui no texto sobre viajar com os pais que me dou super bem com eles. No entanto, como qualquer relação, vinha tendo algumas divergências com o meu pai, mais precisamente. Não concordava com algumas condutas dele e sempre deixava isso acumular. Chegou em um ponto em que percebi que estava me afastando dele para não ter que lidar com isso tudo que me incomodava. O famoso empurrar para baixo do tapete. Chegava em casa depois do trabalho, dava oi e ia para outro cômodo. Dava boa noite antes de dormir e era isso. Mal nos falávamos mais de Segunda à Sexta. Eu sabia que teríamos que conversar uma hora ou outra e ambos estavam ignorando o elefante branco gigantesco na sala mas nenhum dos dois tinha coragem de dar o primeiro passo.

Logo, um belo dia (era noite na verdade), resolvi pedir sushi para jantar e sei que ele também gosta. Perguntei se ele queria, e ele disse que não. Quando chegou, não deu nem 5 segundos que coloquei no prato, ele foi DIRETO pegar o maior sashimi do prato. – Só uma ressalva: eu odeio dividir comida, principalmente quando estou varada de fome. – Óbvio que fiz cara feia e falei: “Você está de sacanagem que vai pegar logo o maior, né?” Pronto. Quando eu menos esperava, aconteceu. Na visão dele, eu tinha sido super egoísta por não ter dividido meu prato com meu próprio pai e que isso o deixou muito chateado e decepcionado.

A partir disso ficamos uns 40 minutos conversando na cozinha e expondo tudo o que vinha nos incomodando e consequentemente nos separando. Foi um mix de sentimentos. Chorei, dei risada, chorei de novo. Essas conversas nunca são fáceis, principalmente quando tem muita coisa acumulada. Mas confesso que não poderia ter sido melhor! Percebemos no fim como somos parecidos e, o que me incomodava nele, também o incomodava em mim! A partir desse dia nossa relação melhorou 120%! Entendemos o que o outro sente e como reagir a certas situações. E vejam só, isso tudo só aconteceu por conta de um sashimi…

Portanto, minha dica: conversem, seja o que for e com quem for! Não deixem nada para depois, não acumulem! Se eu aprendi algo é que deixar passar não vale a pena. O outro jamais vai saber que algo te desagradou se você não se manifestar. Não temos bola de cristal e como encaramos e lidamos com as situações é muito particular de cada um… Let ́s talk people!

Rosa Zaborowsky

by Rosa Zaborowsky

Editor & Founder of Lolla.

Comentários

  1. Concordo plenamente, a melhor forma de entender o outro é conversando, só se conhece o que está na cabeça de outra pessoa quando o pensamento se converte em palavras. E, para mim, não tem melhor lugar para fazer do que na cozinha, ambiente em que me sinto realmente em casa. Que bom que as arestas foram aparadas.

POST A COMMENT