Como foi fazer 37 anos durante a crise do Coronavírus

C22DD768 9DF4 4477 BAA8 44A7E060318C 28FA48D2 CC73 4999 967B 21E541BB930D 1024x769 - Como foi fazer 37 anos durante a crise do Coronavírus

Quando o Coronavirus deixou de ser um problema distante, eu e Marcos estavamos curtindo a Italia, tomando gelatto todo dia (Marcos algumas vezes por dia, devo dizer), entrando em igrejas vazias e mal assombradas e nunca negando um prosciutto crudo e um copo de vinho. Era fevereiro, uma época em que as cidades pequenas do interiror da Itália ficam vazias e o comércio fechado, mas hoje tenho certeza que andar por aquelas cidades medievais praticamente sem cruzar um turista por horas tinha outros motivos que não estávamos levando tão a serio, o Corona. Voltei pro Brasil e desde o dia que cheguei minha vida já virou outra, praticamente não saí de casa e duas semanas depois a escola das crianças fechou.

Mas naquela época eu nunca diria que iria passar meu aniversario em lockdown, jamais. Fazer planos em épocas de incerteza é uma garantia de frustração. Acabou que o Marcos ficou com suspeita de corona (ele não teve) e passei meu aniversário em casa só com ele e as kids. Não vi meus pais, nem meus irmãos – meu almoço de aniversario foi comemorado sem a minha presença, mas não sem o menu. Meu pai seguiu com a programação e fez meu prato favorito, pasta ai fungui.

Mas tem algo de mágico no inesperado, mas acho que exige um esforço nosso pra enxergar. Fiquei bem chateada em um primeiro momento por não poder ver meus pais no meu aniversario (ano passado já tinha passado longe deles). Mas as crianças e o Marcos tiveram um jeitinho especial de deixar tudo mais leve.

Os três me deram presentes especiais, que cada um escolheu. A Stella um kit de pinceis de maquiagem (nada inocente, esse presente é mais pra do que pra mim, mas achei fofo), o Phil um pirulito (depois espertamente trocado por um batom, seguindo a mesma lógica do presente que é mais pra ele do que pra mim) e o Ben uma camiseta, que a Stella escolheu a cor, branca ou bege. Eu fiquei tão surpresa em como eles são observadores, detalhistas e carinhosos. Eles são os que mais sabem o que eu gosto, minhas cores preferidas, como eu me visto e etc. Como fazer para preservar esse cuidado e o carinho? Só quero ter saúde mental e física por muitos anos para poder viver outros milhares de momentos como esses ao lado dos meus doudous.

Eu acho que foi uma coincidência, mas eu realmente queria um kit de pincel, até pedi ajuda no grupo do Facebook do lolla, queria tanto que comprei pinceis uns dois dias antes, sem saber que iria ganhar. Mas resolvi ficar com todos, esses vou guardar com carinho e deixar ela usar também.

 

Rosa Zaborowsky

by Rosa Zaborowsky

Editor & Founder of Lolla.

POST A COMMENT