Dicas para um Marie Kondo digital

jan 1, 2019
 Image credits:  Gemma Koomen

Image credits: Gemma Koomen

Welcome to everything new and exciting month!

Nesse Janeiro, não consigo pensar em outra coisa que não seja metas, resoluções de ano novo, detox, botar a vida em dia, arrumação, limpar a casa e a mente. E foco. Como eu preciso e foco.

Essas pautas viraram lugar comum no grupo do Lolla. Eu comecei a ver a série da Marie Kondo (a musa da arrumação que criou um método do spark joy – não tenha nada na sua casa que não te dê alegria) que estreou no Netflix e debatemos sobre isso no Lolla. Eu já sabia que eu era organizada, mas não sabia que intuitivamente isso é algo meu, quase herdado. A Kanucha tem certeza que é uma alteração genética, que pessoas organizadas não podem ser iguais geneticamente à pessoas bagunçadas. Eu acho que não. Eu atribuo a como a pessoa responde ao ambiente em que ela está. Eu não consigo viver/trabalhar/comer em um ambiente bagunçado, barulhento, com ruídos visuais. Posso demorar horas para começar a trabalhar porque minha mesa não está como eu preciso e isso já virou a minha procrastinação favorita. Por outro lado, descobri que sou muito atrapalhada com a minha rotina e definitivamente não consigo me organizar com as tarefas que não estou a fim de cumprir.

Meus problemas de rotina eu atribuo a minha falta de consistência, que virou a minha meta principal para 2019. Não consigo ter uma rotina por muito tempo porque a falta de novidade me desmotiva, me alimento de projetos. E as tarefas que não gosto não preciso nem me estender né? Simplesmente não faço. E fora todos os projetos que eu gosto, que eu realmente quero fazer, mas como não coloco prazos, não planejo e deixo no plano do “um dia eu faço” que ficam no papel para sempre.

Um grande culpado dessa falta de foco e da quantidade de projetos que eu quero fazer é a minha vida ultra digital. Minha maior fonte de inspiração é o Instagram e o Pinterest, perco horas por dia buscando referências, tirando prints de dicas que eu gosto, buscando livros e artigos para ler, coisas legais para comprar, mulheres incríveis para entrevistar, business para conhecer e estudar e etc. Uso a internet como uma escola, passo o dia aprendendo e consumindo tudo sobre o que me interessa mais. Quando eu vi estava seguindo mais de 2800 pessoas no Instagram. Duas-mil-e-oitocentas, quem faz isso? Quem tem tempo e energia para acompanhar a vida de 2800 seres humanos virtuais? Fora todos os outros seres humanos reais que preciso e quero acompanhar a vida, de perto.

Por isso resolvi fazer uma limpa, ou dizendo Maria Ruth, um Marie Kondo Digital. Fazendo uma busca rápida, ela descobriu que o termo já existe e que pessoas buscam por estratégias de como fazer o detox digital. Isso inclui limpar suas fotos, grupos de whatsapp, e-mails, redes sociais, pastas no computador e todos os programas e apps que fazem parte do seu dia a dia digital. Debatemos muito sobre isso no nosso grupo e resolvi compartilhar algumas dicas aqui.

COMO FAZER UM DETOX DIGITAL

1.Screenshots

Eu tenho mais de 5000 screenshots no meu celular. Já deletei mais de 3000 nos últimos meses e quero chegar a menos de 1000. Minha dica é apagar as mais antigas sem pensar muito, grandes chances de ser coisas que não te interessam mais. Eu to me policiando para uma vez por semana organizar as screenshots no Evernote por temas, as vezes anoto o que eu preciso em cada delas e jogo a foto fora. Parece que to perdendo muito tempo, mas na verdade é isso que está me ajudando a manter meus objetivos, fico só com o que me interessa de verdade (sparks joy).

2. Fotos

Você não precisa tirar fotos de todos os momentos dos seus filhos nas férias. Alguma coisa ou outra diferente que eles estão fazendo vai te trazer uma memória legal daquelas férias, foque em curtir com eles. E apague todas fotos que não ficaram legais no momento em que tirou.

3. Pinterest

Nosso estilo muda, nossas referências também. Apague as pastas e as imagens que serviram de inspiração em uma outra fase da sua vida.

4. Arquivos do computador

Eu procuro ter duas pastas no máximo para cada tópico ao invés de ter pastas dentro de pastas. E separo minhas inspirações por tópicos. Tipo House Renovation > Office. Toda vez que salvo alguma coisa eu já coloca na pasta certa para depois conseguir me encontrar. E coloca tags (bandeiras coloridas) nas pastas principais ou as que mais uso para achar de um jeito mais facil. Por exemplo, para o Lolla, separo por mês as pastas com as pautas que estamos trabalhando e deixo demarcado com a tag “currently working”.

Os arquivos antigos e que estão inativos eu migrei para o Google Drive para desocupar meu computador e deixar tudo menos poluído e carregado.

5. Instagram

Eu defini alguns critérios para escolher quem seguir em qual conta. Como na conta do Lolla eu sigo muita gente, deixei meus amigos queridos para a minha conta pessoal que é fechada, assim consigo ver o Instagram deles e somente os deles. Usando o do Lolla eu acabava perdendo muita coisa. De fato, ter dois Instagrams me faz perder algumas coisas, esqueço de entrar no meu pessoal, mas de vez em quando vou lá dar uma espiada at my friends and family. No Instagram do Lolla (follow me @thelollasite) eu  deixei de seguir marcas grandes e mais comerciais (são marcas que dificilmente vão ter um conteúdo direcionado ou que eu preciso do Instagram para ser impactada, tipo a Zara, Cris Barros, Sephora).

6. Emails

Costumo assinar as news de todas as marcas que eu gosto, assim consigo acompanhar o que estão fazendo. Isso pra mim também é material de estudo/inspiração/business. As newsletters que eu não quero perder, assino em um email que recebo menos conteúdo para poder ver tudo e para as mais especiais ainda criei regras no Mail e elas vão direto para uma pastinha especial.

7. Evernote (ou qualquer programa de anotações digital)

Sigo a mesma lógica da organização das pastas no computador. Separo por categorias e deixo a minha vida organizada lá. Tenho todos os documentos da família, com fotos, carteirinhas de vacina das crianças, pasta de receitas, documentos da casa, do Lolla, da empresa, etc.

No fim das contas, percebo quanto tempo eu perco fazendo essas buscas no dia a dia ou até tirando milhares de fotos dos meus filhos ao invés de curtir esses momentos com eles.

Vocês tem mais dicas para fazer o detox digital? Logo mais Maria Ruth vai contar da experiência dela com o Marie Kondo Digital.

MAIS MATÉRIAS INSPIRADORAS

Share it

Rosa Zaborowsky

by Rosa Zaborowsky

Editor & Founder of Lolla.

Comentários