dinheiro e investimento
Pinterest

Todos os dias acordamos com uma lista de tarefas. Esteja ela escrita em papel, planner, caderno, calendário do email ou simplesmente na nossa cabeça, ela existe. É um norte para o que vamos conquistar naquele dia – ou não, e aí cabe à “eu” do dia seguinte continuar o trabalho.

A questão aqui é que temos planos de curtíssimo prazo – o que vamos fazer hoje, amanhã, nesta semana. Às vezes até o que faremos no mês. Mas se alguém perguntar nossos planos para daqui a 10, 15, 20 anos… talvez as coisas mudem um pouco de figura. E é aquilo né: se não sabemos aonde estamos indo, tanto faz o caminho até lá – que é, inclusive, o tema do mês do Lolla.

Sobre planejamento e investimento

Eu sou uma pessoa um pouco mista nesse sentido. Gosto de ter planos, saber o que vou fazer no fim de semana, ter tudo organizado para as férias para evitar surpresas. Sabe aquela pessoa que a gente fala “com ela é ‘vamos?’ ‘vamos!’” –  queria ser assim, mas, na maioria das vezes, não sou (sorry, amigas!).

Ao mesmo tempo, tenho algumas dúvidas sobre esse futuro mais distante e sei que não é fácil imaginar e planejar. Aquela vozinha que diz que não sabemos nem se vamos estar vivas amanhã vira e mexe aparece, mas convenhamos que as chances de continuarmos aqui por um tempão ainda são grandes (ainda bem!). Dito isso, eu sei também de outra verdade: seja lá o que for esse tal futuro, ele vai custar dinheiro.

Sei que não é uma grande revelação, mas muitas vezes deixamos pra pensar e planejar isso depois. E, assim, chegaremos lá da maneira que for, mas quando falamos de dinheiro essa não é a melhor opção. Se estamos acostumadas a uma vida de determinada maneira, dificilmente ficaremos muito satisfeitas se chegarmos lá na frente, depois de anos de trabalho, e a vida não nos permitir ao menos os prazeres preferidos.

O que fazer, então?

Precisamos entender onde (e como) queremos chegar. Não precisa ser um exercício muito filosófico, nem precisaremos da ajuda de uma bola de cristal. Mas não é algo que consiga ser decidido apenas lendo essa coluna, então tire um tempinho para refletir sobre isso. Vou dar um exemplo que pode deixar mais claro o que quero dizer.

Por exemplo, digamos que você tenha uma vida hoje que custa R$ 10.000,00 por mês, em média (afinal em alguns meses gastamos mais e em outros, menos). Considere nessa conta todos os gastos essenciais (aluguel, contas, impostos etc) e não essenciais (viagens, restaurantes, compras). São gastos que, provavelmente, continuará a ter daqui a algumas décadas.

Sendo assim, seria interessante daqui a cerca de 30 anos conseguir mensalmente essa quantia (a valores futuros, já que a inflação não brinca em serviço), para viver bem apesar de provavelmente não ter mais renda de trabalho. E isso vai depender dos esforços que fizer hoje, não é mesmo?

Já comentei por aqui que existem diversas opções de investimentos e que é importante diversificar, pensando em cada um dos nossos objetivos e sabendo que nem sempre as condições da economia estarão favoráveis para um ou outro tipo de aplicação, sendo importante reduzir nossos riscos. Além disso, daqui até a nossa aposentadoria a inflação vai corroendo o valor do nosso dinheiro, sendo importante se proteger dela.

Leia aqui: 3 dicas para planejar seu futuro financeiro 

Um exemplo prático

Só pra dar um exemplo da diferença que faz começar o quanto antes, fiz um exercício comparando quando uma pessoa teria hoje se tivesse investido R$ 20.000,00 há 20, 15 anos ou há 10 anos no investimento mais conservador que temos (Tesouro Selic; sem considerar a inflação do período).

Data inicial Investimento inicial Valor hoje – Selic
Junho de 2002                       20.000,00 172.140,32
Junho de 2007                       20.000,00 75.369,22
Junho de 2012                       20.000,00 45.052,47

Fonte: Banco Central

Leia aqui opções de investimentos em renda fixa para começar a investir e diversificar 

Então, se eu puder deixar uma dica, seria essa: comece essa semana a se planejar. E isso significa partir do básico, pensando no quanto gasta hoje e no padrão que deseja ter lá no futuro. E a partir daí, iniciar os investimentos (sozinha ou com ajuda de profissionais da área), o que por vezes vai significar algumas escolhas entre nosso presente e nosso futuro.

Essa é a melhor maneira para não tomar qualquer caminho e chegar a um destino que não esteja à altura daquilo que você merece ter (e viver) depois de tantos anos.

Lembre-se: A espontaneidade não é BFF do seu dinheiro!

by Camilla Dolle

Economista, trabalha na XP, onde se dedica a levar conhecimento sobre investimentos para investidores, de iniciantes a avançados. Tem uma coluna mensal sobre o tema na Infomoney e é uma das líderes do coletivo de mulheres da XP, o MLHR3

0 Comments

POST A COMMENT